sábado, 22 de agosto de 2009

Quando o sexo não tem nenhum rock'n roll

(Clique na tirinha para aumentar)


Há uma idéia corrente e explicitada principalmente sob a forma de humor de que homens se cansam da monogamia compulsória. A esposa aparece na figura da megera que o impede de ser sexualmente livre; a namorada é colocada sob a forma da fêmea que está á disposição quando não há possibilidades de sexo com outras mulheres. Fazer sexo com a mesma mulher por um longo período de tempo é colocado como um sacrifício.


Ao mesmo tempo, existe a idéia de que as mulheres se interessam menos por sexo do que os homens. A famosa desculpa da “dor de cabeça” é um exemplo disso. Parece que os homens se frustram porque as mulheres não estão sempre prontas para o sexo – mesmo que elas estejam na figura da esposa-megera. As próprias mulheres se gabam, muitas vezes, de não possuírem um grande desejo sexual. Falam do sexo como um fisiologismo barato e inferior, que não merece uma grande atenção. A maioria das piadas femininas ridiculariza a suposta obsessão masculina pelo sexo.



Algumas vão além. Diversas autoras feministas colocam o ato sexual como uma violência, remetendo à dominação social masculina. Outras descrevem o casamento como um estupro consentido, ou até mesmo uma forma de prostituição.


Mas pensemos um pouco.


A reprodução é o objetivo maior da existência do indivíduo, o modo a devolver seus genes ao pool gênico. O sexo existe como uma forma de reprodução com alto valor adaptativo; tão alto que é extremamente disseminado na natureza. A monogamia é rara, mas tem grandes vantagens adaptativas relacionadas ao cuidado parental – provavelmente uma sociedade humana “promíscua” não teria uma mortalidade infantil tão baixa quanto a que nossa espécie apresenta. A priori, portanto, ambos os gêneros deveriam ser interessados no sexo e na monogamia, de forma equivalente.


Porque, então, esta idéia de que os homens se interessam mais por sexo (incluindo o quesito “variedade”) e as mulheres se sentem forçadas a ceder aos impulsos sexuais masculinos, sem um desejo real?


O desejo sexual está intimamente relacionado aos hormônios sexuais. A testosterona é o principal responsável, mas em mulheres os progestágenos também cumprem este papel de estimulador do desejo. Entretanto, enquanto nos homens a produção de testosterona é algo constante, as mulheres passam ciclicamente por diversas flutuações na expressão destes hormônios.


Não há, entretanto, menção aceita à idéia de um cio humano. Em animais isto é óbvio: as fêmeas só aceitam a cópula durante o cio, e os machos geralmente só buscam fazê-lo quando a fêmea está neste período ovulatório. Em humanos sabe-se que existe um período determinado para a ovulação, mas não se fala em cio porque as mulheres aceitam a cópula em qualquer ocasião – e os homens as buscam também de modo independente ao ciclo hormonal feminino.


Será mesmo?


Vamos imaginar a seguinte situação: um cão macho está preso em um canil na companhia de duas fêmeas. Quando estas estiverem no cio, ele provavelmente copulará com ambas. Mas nas ocasiões em que elas estiverem em outros períodos do ciclo, elas se recusarão a fazê-lo mesmo que o macho porventura as assedie. Entretanto, outras cadelas fora dali estarão no cio – já que não se trata de um intervalo de tempo universal e padronizado entre indivíduos. Mesmo com duas fêmeas a seu lado, este macho se esforçará por livrar-se de alguma forma do que o encerra no canil, a fim de buscar a cópula com as fêmeas que estão no cio. Seria mais fácil ele abordar as próximas, e até mesmo forçar uma situação, mas ele estará mais interessado na outras neste momento.


Passemos, agora, ao que ocorre com os humanos. Porque será que as mulheres apresentam um interesse menos persistente no sexo, e algumas se sentem violentadas com as “obrigações conjugais”? Porque os homens consideram fastidioso fazer sexo com a mesma mulher indefinidamente, sempre que sentem algum desejo?


O famoso evolucionista Dobzhansky comenta, em seu livro (1), sobre a vantagem adaptativa da monogamia sexual. Ele diz que é interessante o intercurso sexual constante, porque as mulheres não possuem um período de cio definido. Esta constância aumentaria as probabilidades de o ato sexual coincidir com o período de ovulação e, portanto, otimizaria as chances de reprodução.


É possível, entretanto, que a lógica seja inversa. O intercurso sexual constante, resultado da idéia de monogamia, mascara o cio feminino. Como resultado de um valor social, o casamento e instituições do gênero (namoro, noivado, e situações que remetam ao amor romântico) colocam que o sexo só pode ser feito com o parceiro. Comparando com o exemplo dos cães, os homens, então, se vêm obrigados a satisfazer seus impulsos sexuais com a “fêmea próxima”, mesmo que ela não esteja no momento adequado – o que gera o fastio. As fêmeas se vêm pressionadas a atender a estes desejos masculinos, mesmo que este não seja também o seu desejo, para evitar que ele faça sexo com outras mulheres “fora do canil”.


A maneira como se dá os relacionamentos em nossa sociedade é interessante sob vários aspectos. Otimiza o cuidado parental, torna a família uma célula organizada da sociedade, permite a estipulação dos papéis sociais de forma clara. Enfim, é parte de um sistema social que indubitavelmente promove a coesão da espécie.


Mas para que estes relacionamentos ocorram, é necessário subjugar alguns comportamentos instintivos à valores estabelecidos, que podem ser denominados de forma única como amor romântico.


O mito do amor romântico traz em si o ideal antropocêntrico de que os fisiologismos não afetam nossa espécie. São considerados apenas um efeito colateral da existência; jamais devemos nos deixar vencer por eles. Ao mesmo tempo, tem imbutida a idéia de que apenas um ser escolhido, especial e único, deve ser digno do amor. Isso vem acompanhado de uma série de exigências muitas vezes extremadas, que levam à eterna frustração e à rima poética na forma de doxa entre amor e dor. Mas é claro: sabemos que nossos instintos devem ser sacrificados em prol da sociedade; nada mais justo do que a escolha de um parceiro ideal para que este sacrifício seja efetuado.


O principal motivo de desentendimento entre homens e mulheres em um relacionamento se dá no âmbito sexual. Isto porque não somos conscientes dos paradoxos de nosso comportamento social, e cada um dos gêneros se sente insatisfeito no que se refere aos desejos. O culpado sempre é o outro, por representar exigências que levam inexoravelmente á frustração.


Mas analise seus desejos e responda a si mesmo: nós realmente somos tão diferentes dos cães?



Referências


(1) Dobzhansky, T. G. O Homem em Evolução. Editora da USP, SãoPaulo, 1968.


Tirinha inicial: www.umsabadoqualquer.com



2 comentários:

Rd disse...

É da natureza humana ser "presunçoso". A pessoas acreditam que são mestres dos seus sentimentos, que são capazes de controlar seus impulsos. Do ponto de vista biológico somos apenas máquinas reprodutivas com essa única e exclusiva função. Tanto que cessada essa capacidade a natureza trata de eliminar o indivíduo, pois o mesmo não possui mais utilidade biológica, os homens geralmente desenvolvem câncer de próstata quando o ritmo de utilização desta glândula diminui drasticamente e as mulheres após a menopausa desenvolvem osteoporose e um aumento significativo do risco de problemas cardíacos antes evitados pelos hormônios. Dessa forma, independente do parceiro, a reprodução é a finalidade primordial do indivíduo. Como já disse Schopenhauer "entre os cães, contrariamente ao que ocorre entre os homens, a vontade não é dissimulada pela máscara do pensamento". Dessa forma o que existe é apenas uma convenção anti-natural para o comportamento, como quase tudo, para que o convívio em sociedade seja sustentável, de acordo com os "valores" da cultura onde o indivíduo está inserido.

M K disse...

Desculpe-me Sr(a)...realmente não somos " mestres" de nossos sentimentos, eles surgem sem que possamos de fato controlá-los ou mesmo evitar que surjam.
Mas somos sim capazes de controlar nossos atos, nossas atitudes.
Já não cabemos apenas na definição "maquinas reprodutivas", já evoluimos um tiquinho acima disso não acha?
Imagine o sr(a),hipotéticamente falando, se sua mulher/marido(não sei se é casado(a))não puder controlar seus impulsos reprodutivos, se como os cães,cedessemos sempre aos nossos impulsos....De quem seriam os filhos? Ou melhor DE QUEM SERIAMOS FILHOS???
Para nós humanos, é necesserário a cúmplicidade, a lealdade, o companheirismo e o sexo sim.
Hoje esses " valores" estão dentro de qq um que seja capaz de dignidade e lealdade nas relações.
Hoje é tão natural como o se buscar conforto, realizar sonhos,viajar em lazer etc...
Concordo que todos temos " prazo de validade", mas isso não significa perder o impulso reprodutivo ou qq outro impulso.
A evoluçaõ da medicina,o aumento da nossa espectativa de vida, o aumento de nossa capacidade produtiva,....tudo isso nos remete a uma situação que diverge da vivida por Shopenhauer, epoca essa em que uma mulher de 40 anos era uma mulher de meia idade.
Tudo mudou Sr(a), tudo evoluiu.Até mesmo as mulheres não temem mais se colocarem como possuidoras do " impulso reprodutivo", como também se dão ao direito de não obedece-lo.
Hoje podemos esperar e em alguns casos exigir, que sejam satisfeitos nossos impulsos e assumimos que não somos mais apenas " maquinas reprodutivas".
Trazer Shopenhauer para hoje...bem é no minimo estar preso a uma outra época, a uma outra situação e circunstância!